EPI e COVID19

Atualização: 29/03/2020

COVID-19 é o nome da doença causada pela infecção pelo novo coronavirus SARS-CoV-2, que surgiu provavelmente em Wuhan, China no final de 2019 e logo se espalhou pelo mundo, levando a OMS declarar estado de pandemia. A importância de ter adequados Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e saber usá-los nunca se mostrou tão urgente, sendo seu uso e principalmente retirada incorretos causa de contaminação dos profissionais da saúde.

Aqui selecionamos algumas informações passadas pela OMS e pelo CDC, que pode ser atualizada a qualquer momento, portanto, não tenha receio de nos mandar informações, apontar erros, e sugerir correções.

Quais são as vias de transmissão do novo Coronavirus (SARS-CoV-2)?

A OMS reforça que a transmissão do SARS-CoV-2 se dá através da via respiratória por gotículas e por contato (através de fômites contaminados e contato indireto), e preconiza o uso de precauções para esse tipo de transmissão, que incluem a higienização das mãos e o uso de equipamentos de proteção individual (EPI), tais como capote, luvas, e máscara cirúrgica.

Como base para essas recomendações eles usam um trabalho publicado recentemente na NEJM, onde foi usado um aparelho produtor de aerossol num modelo experimental (e que não se assemelha as condições de vida real de pacientes com COVID-19 tossindo), onde foi avaliado o tempo de permanência do aerossol no ar em um ambiente de laboratório experimental. E outro que relatou a casuística de mais 75.000 casos na China onde não foi caracterizada a transmissão por aerossol. Além destes dois, o documento cita outros artigos onde foi detectado RNA viral de SARS-CoV-2 no ar, mas em nenhum dos trabalhos citados foi avaliada a viabilidade e a infectividade dessas partículas virais encontrados no ar.

Mas por que a proteção contra AEROSSÓIS?

Apesar de não termos dados/estudos mostrando se realmente há transmissão por aerossol espontaneamente como acontece na tuberculose, sabemos que o virus SARS-CoV-2 é encontrado em particular aerossolizadas por até 3 horas. Alguns procedimentos médicos que podem ser fontes geradoras de aerossol, por isso, em face desses procedimentos, precisamos desse tipo de proteção.

Procedimentos Geradores de AEROSSOIS:

  • Intubação endotraqueal
  • Broncoscopia
  • Aspiração aberta
  • Administração de medicamentos via nebulização
  • Ventilação manual antes da intubação (por exemplo, através do uso de máscara e ambú)
  • Desconectar o paciente do circuito do respirador
  • Movimentar paciente para posição de prona
  • Ventilação não-invasiva com pressão positiva
  • Traqueostomia
  • Ressuscitação cardiopulmonar.

Nestas situações usar máscara do tipo respirador (N95 ou PFF2/PFF3).

Sugestões de uso de EPI:

  • Avental ou capote a prova d’água e luvas de procedimentos (sempre ao examinar os pacientes)
  • Máscara cirúrgica para atendimento onde não há risco de formação de aerossóis. (recomendação OMS)
    • Porém: quando estamos atendendo muitos pacientes em sequência, considerando que a máscara cirurgia é mais frouxa, dura menos, e situações em que devemos examinar orofaringe, faz sentido usar a N95 que veda melhor e dura mais tempo.
  • Óculos ou protetor facial (sempre ao examinar os pacientes, atenção para risco de contato com gotículas, se o paciente tossir enquanto se examina a orofaringe)
  • Touca (em situações de procedimentos que gera aerossol)
  • Pode ser usado macacão ou capuz improvisado (como esse da foto), em situação de procedimento que gera aerossol, mas não há comprovação de eficácia e precisa de muito cuidado ao retirar
  • Sapatos que sejam fácil de limpar e retirar (não é necessário cobrir os sapatos, pelo risco de contaminação ao retirar)

Provavelmente muito mais importante do que usar os materiais é saber retirá-los com segurança.

  1. Retire as luvas, com cuidado para não contaminar a pele. Luva com luva X pele com pele.
  2. Limpe as mãos com solução a base de álcool 70%
  3. Retire o avental
    1. Puxe o avental afastando-o do corpo, para soltar os laços, se não rasgar, desamarre com cuidado, para não contaminar pele e por baixo do avental. Não use movimentos bruscos para não espalhar partículas contaminadas.
    2. Enrole o avental de dentro para fora, afastando-o do corpo, se curvando para frente, criando uma bola de avental, tentando manter a parte limpa (que estava em contato com a pele) do lado de fora e a parte contaminada dentro.
  4. Limpe as mãos com solução a base de álcool 70%
  5. Retire o protetor facil ou óculos. Retire a touca puxando por cima.
    1. Não toque na parte da frente (pode haver contaminação)
  6. Limpe as mãos com solução a base de álcool 70%
  7. Saia do isolamento.
  8. Retire a mascara N95, sem tocar na parte da frente onde pode haver contaminação. Guarde em um envelope de papel para evitar umidificação. Descarta a máscara cirúrgica.
  9. Limpe as mãos com solução a base de álcool 70%

Dicas:

  • Use um checklist para sempre se lembrar de cada passo, de preferência que ela fique visível.
  • Treine! TREINE! TREINE!
  • Tenha alguém para verificar se você está retirando os EPIs sem contaminação. Ou use um espelho.
Como se paramentar e retirar o EPI

Posicionamento ABRAMEDE quanto a falta de EPI.

Referências:

Para saber mais:

2 Replies to “EPI e COVID19”

  1. Olá Jule Santos, valiosas essas informações, especialmente as informações que chamam a atenção para a proteção contra aerossóis, essa informação para mim foi uma descoberta valiosa e a orientação da máscara correta para essas situações no caso N95, muito bom artigo, parabéns!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.