AULA ABRAMEDE2018: Manejo da Via Aérea no Paciente Séptico (Assassinos POp) – Referências

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO

Chega para você paciente 36anos com quadro de mal estar, dor lombar e sonolência.

SINAIS VITAIS: PA: 98X54mmHg, PAM: 69mmHg, IC:1,14 FC: 112, FR: 28IRPM SAT 91% EM AA, TAX.: 37°C

Paciente refere que está em uso de anti-inflamatória há 1 semana para dor lombar. Anterior a isto teve um quadro de disúria que tratou com piridium, nega comorbidades e alergias. Refere hiporexia há 3 dias, alguns episódios de vômitos, e um episodio febril há 1 dia, e agora se apresenta algo agitada, pouco colaborativa com exame físico.

Devido possibilidade de infecção de trato urinário alto (Disúria evoluindo para dor lombar), você inicia a estratificação para sepse:

SIRS: 2

qSOFA: 3

Encaminha paciente para a Sala Vermelha para monitorização, acesso periférico, coleta de sangues, inicia hidratação, e prescreve antibiótico.

Gasometria Arterial: Acidose Metábolica (pH: 7,23 HCO3 15 pCO2: 20 Lactato: 1)

Após 1 hora evoluiu com piora da taquipnéia, PAM: 50mmHg, agitação psicomotora importante.

Você decide que precisa intubar para garantir manutenção da via aérea, risco de comprometimento ventilatório pelo esforço respiratório aumentado e possível evolução clínica ruim.

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO (5)

 

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO (6)

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO (7)

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO (8)

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO (9)

Manejo da via aérea no paciente SÉPTICO (10)

Livro de graça online Sobre Manejo da Via Aérea na Emergência

http://www.aimeairway.ca/book#/

Jule-Podcast-17

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.